Sítio Terra Pura

"Espaço de florescimento do Ser".

A idéia central desse encontro é gerar reflexões a respeito do poder decisivo do grupo familiar em nosso destino.

Aqui trato o destino como fruto dos dramas vividos pelos descendentes de nossa família. O script tantas vezes revivido por nossa linhagem familiar, forças ocultas que modelam e determina a vida de pessoas ligadas a esse grupo por vínculos profundos. Inevitavelmente estamos subjugados aos nossos precedentes, de muitas formas fomos gerados por seus destinos e inevitavelmente todos eles estão presente em nós. Assim também junto com todos nossos precedentes, estaremos presentes nas gerações seguintes unidos por essa natureza.
Quando compartilho dessa visão com amigos, percebo que esse assunto causa arrepios e quase sempre uma espécie de confusão. “Karma!” “DNA!” “Maldição!!!” E quase sempre respondo: “é e não é”.


  A certeza da força geracional da família emerge de um lugar em mim onde mora o silêncio. Lugar que está além da minha dúvida, são vozes que foram silenciadas pelo tempo ordinário onde as coisas nascem, vive e morrem.


Na verdade, o que sinto é muito profundo, vai além da minha percepção egóica, porém, algo que de alguma forma estava contido nos subterrâneos do grupo que pertenço e que agora emerge numa delicadeza maior.


  Ouso definir esse meu sentimento de delicadeza maior como o surgimento da consciência ancestral, uma consciência desvelada em minha consciência que oferece inspiração e conexão como algo que está para além do tempo geracional da família.


  Na antiguidade a ancestralidade era utilizada com o propósito de ré conexão com os Deuses. Seres míticos que estavam para além do mundo mortal e que detinham do conhecimento do destino.


  A consciência ancestral é um sistema que foi ativado,é um local sagrado que o conhecimento maior se torna acessível.


  A diversidade da nossa árvore familiar está presente em cada membro desta. O uni-verso é re encenado na transmissão desse grupo ao longo do tempo/espaço. Cada indivíduo se constitui num mosaico multidimensional uma verdadeira constelação familiar.


Eu acolho esse mistério que sou. Eu acolho as partes sombrias, seus silêncios e seus sons.




Barthô Nigro

0 comentários:

Postar um comentário


Ancestralidade

Sobre mim

Minha foto
Barthô Nigro
É psicólogo e publicou trabalho junto a UFRPE sobre a influência da relação mãe/filho nas atitudes do indivíduo diante da natureza (1990). Estudou psicanálise dirigindo seu interesse para a psicologia junguiana (1994) onde buscou pesquisar a influência dos mitos pessoais na estrutura da nossa consciência e como esses mitos traçam o destino dos indivíduos e das sociedades. Junto a UFPE, buscou aprofundar a questão da transmissão da vida psíquica entre as gerações e qual sua função dentro da família. Através de sua prática, deu continuidade à sua pesquisa tendo como questão central à análise dos efeitos dos segredos e dos mitos na dinâmica familiar. Porém foi na convivência com o trabalho da “Constelação Familiar” que sua pesquisa e sua prática clínica convergiu para uma intervenção integral.
Visualizar meu perfil completo

Páginas

Livros que recomendo

  • "Quando Tudo se Desfaz" - Pema Chödrön

Seguidores